Brasão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul
ALEMS no combate ao Coronavírus

Intervenção na UFGD completou dois anos e deputados cobram solução  

Imagem: Barbosinha e Professor Rinaldo lamentaram a situação da UFGD e cobraram providência por parte da União
Barbosinha e Professor Rinaldo lamentaram a situação da UFGD e cobraram providência por parte da União
06/04/2021 - 10:37 Por: Heloíse Gimenes   Foto: Luciana Nassar

Em 12 de março de 2019, a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) sofreu uma intervenção do Governo Federal. Eleito, o professor Etienne Biasotto não assumiu o cargo de reitor e Mirlene Ferreira Macedo Damázio foi nomeada para exercer a função. Recentemente, a história ganhou mais um capítulo. A então interventora da instituição foi substituída pelo docente Lino Sanabria. Na sessão desta terça-feira (6), os deputados cobraram solução para o caso.

“A UFGD, tão importante para o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul e do Brasil, há dois anos sofreu intervenção. Agora, surpreendentemente, a intervenção sofreu intervenção. Algo inusitado e lamentável. O maior ataque na autonomia universitária e um total desrespeito ao processo eleitoral”, disse o deputado Barbosinha (DEM).

Barbosinha explicou que, por meio do voto, os estudantes, técnicos e professores e professoras legitimaram o professor Etienne para exercer a função de reitor. Ele ficou em primeiro lugar na lista tríplice que foi envidada ao Ministério da Educação, obedecendo à legislação.

“Faço uma rogativa à bancada federal e ao presidente da República que respeite a autonomia universitária e coloque na reitoria aquele que foi legitimamente eleito”, afirmou. Os deputados Professor Rinaldo (PSDB) e Lidio Lopes (PATRI) lamentaram a situação da UFGD e também cobraram providência por parte da União. 

Assista à reportagem da TV ALEMS sobre o assunto clicando aqui

Permitida a reprodução do texto, desde que contenha a assinatura Agência ALEMS.
Crédito obrigatório para as fotografias, no formato Nome do fotógrafo/ALEMS.