Brasão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul Brasão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul

Com ajuda da Assembleia, setor atacadista de MS consegue incentivo fiscal do governo

Imagem: Governador Reinaldo Azambuja e o deputado Paulo Corrêa durante reunião realizada com setores empresariais na governadoria nesta quarta-feira
Governador Reinaldo Azambuja e o deputado Paulo Corrêa durante reunião realizada com setores empresariais na governadoria nesta quarta-feira
18/12/2019 - 18:20 Por: Osvaldo Júnior   Foto: Luiz Carlos Júnior

Com participação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALEMS), a articulação entre o setor produtivo e o governo estadual resultou na efetivação de incentivo fiscal aos atacadistas e distribuidores, que respondem por 6 mil empregos diretos no Estado. A alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) incidentes sobre produtos do atacado e distribuição caiu de 17% para 13,5%, conforme informado pelo governo durante reunião realizada na tarde desta quarta-feira (18) na Governadoria, no Parque dos Poderes, em Campo Grande. 

Na avaliação do presidente da ALEMS, deputado Paulo Corrêa (PSDB), a decisão do governo favorece o atacado, que se torna mais competitivo, e toda sociedade sul-mato-grossense, através da redução dos preços dos produtos e da proteção dos empregos gerados pelas empresas do setor. “Representa um avanço importante esse incentivo fiscal concedido pelo governador Reinaldo Azambuja aos atacadistas e distribuidores do Mato Grosso Sul”, comentou.

Um dos pontos destacados pelo parlamentar é o avanço da competividade. “Com isso [incentivo fiscal], as empresas de Mato Grosso do Sul poderão, efetivamente, competir com atacadistas de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Paraná e São Paulo”, disse. “É uma defesa do Estado para quem efetivamente emprega, além de possibilitar preços mais baratos aqui”, completou.

O deputado enfatizou, ainda, que o incentivo é dado em momento economicamente difícil. “O governador deu um voto de confiança, abrindo mão de parte de receita em momento difícil”, disse. A renúncia fiscal é estimada em R$ 11 milhões. No entanto, conforme analisa o presidente da ALEMS, isso é revertido em ganhos para toda sociedade sul-mato-grossense.

O presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems), Sérgio Longen, reforçou as análises do deputado Paulo Corrêa. “O governo abre mão em torno de R$ 11 milhões de receita, mas o setor atacadista consegue dar retorno nesse valor e até acima disso”, disse Longen. Ele também entende que o setor se torna mais competitivo, o que é positivo para todo o Estado.  

Início das discussões

No dia 3 de setembro deste ano, representantes do setor produtivo e do governo estiveram na ALEMS para discutir o assunto (clique aqui para ler a matéria). Na ocasião, os empresários reclamaram da dificuldade em competir com empresas de outros estados, devido à alíquota do ICMS praticada em Mato Grosso do Sul. Desde então, as discussões avançaram, resultando na redução comunicada na tarde de hoje.

Na reunião de setembro, o deputado Paulo Corrêa comentou sobre a concorrência com empresas do outros estados. “Falamos nessa reunião sobre a infiltração em Mato Grosso do Sul de atacados de fora, que não geram nenhum emprego e renda no Estado, mas simplesmente trocam nota fiscal, prejudicando quem, efetivamente, monta um atacado e gera emprego e renda aqui”, disse.

Permitida a reprodução do texto, desde que contenha a assinatura Agência ALEMS.
Crédito obrigatório para as fotografias, no formato Nome do fotógrafo/ALEMS.