ALEMS no combate ao Coronavírus

Novembro Azul: ALEMS alerta os homens para o cuidado com a saúde

Imagem: Azul é a cor da campanha de prevenção ao câncer de próstata e a Casa de Leis alerta os homens para a realização dos exames regulares
Azul é a cor da campanha de prevenção ao câncer de próstata e a Casa de Leis alerta os homens para a realização dos exames regulares
12/11/2021 - 09:20 Por: Osvaldo Júnior   Foto: Wagner Guimarães


Arte: Luciana Kawassaki

O lembrete vem do alto: o azul do céu tem, neste mês, a cor do cuidado com a saúde e, de modo especial, da atenção ao câncer de próstata. E este cuidado é responsabilidade fundamental do próprio homem. “Quem cuida de você é você mesmo”, alertou o deputado Zé Teixeira (DEM), com propriedade de quem propôs o projeto que criou a campanha Novembro Azul e de quem venceu dois cânceres, um deles o de próstata.  

A campanha Novembro Azul, que surgiu na Austrália em 2003, foi incluída no calendário oficial do Estado em dezembro de 2014 pela Lei 4.636/2014, de autoria do deputado Zé Teixeira e coautoria do ex-deputado Marquinhos Trad. A lei objetiva a realização de ações integradas para a promoção da conscientização sobre a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer.

As ações do Novembro Azul são importantes. No entanto, a decisão de cuidar de si mesmo, cuidar da saúde, é do próprio homem, como enfatiza o parlamentar autor da lei. “Quem deve cuidar de você é você mesmo. Os homens precisam se alertar quanto a isso”, disse Zé Teixeira. “Eu posso fazer o que estou fazendo como parlamentar, que é propor a lei que instituiu o Novembro Azul. Podemos alertar, pedir e esclarecer, mas quem cuida de você é você mesmo. Se o homem quiser ter uma melhor saúde, precisa se cuidar”, frisou o deputado.


Zé Teixeira, autor da lei, enfrentou e venceu o câncer de próstata

Zé Teixeira, também coautor de outra lei relativa à prevenção do câncer (Lei 4.541/2014, que instituiu a campanha Outubro Rosa), tem consciência, por experiência, da importância do diagnóstico precoce. “Se você descobrir o câncer precocemente, as chances de cura são muito maiores”, avisa.

O deputado, inicialmente, foi diagnosticado com um tumor renal. Tratou-se e se curou. “Estou curado há mais de dez anos”, contou. “Depois tive câncer de próstata. E eu sempre fui cuidadoso em fazer os exames. Logo procurei um especialista. Ainda estava em tempo. Fiz a minha cirurgia. Fiz algumas sessões de rádio, não fiz quimioterapia. E estou cem por cento curado. Faço meus exames de seis em seis meses. Está tudo dentro dos conformes”, disse o parlamentar.

Com exames preventivos, chances de cura chegam a 95% 

A situação vivenciada pelo deputado é semelhante à de inúmeros homens. No entanto, muitos são derrotados pela doença, porque buscam o tratamento tardiamente. O diagnóstico precoce pode curar quase todos os pacientes com câncer de próstata, segundo informa o médico urologista João Alexandre Queiroz Juveniz, presidente da Sociedade Sul-Mato-Grossense de Urologia. “Os exames preventivos são fundamentais para o médico fazer o diagnóstico inicial. Com isso, é possível curar de noventa a noventa e cinco por cento das vezes”, explicou.


João Juveniz destacou o diagnóstico precoce (Arquivo pessoal)

Caso o paciente demore a iniciar o tratamento, a doença pode se agravar e ocorrer a metástase. “Esse tipo de câncer é uma proliferação de algumas células mal-formadas na próstata. Esse crescimento pode resultar até mesmo em uma metástase, ou seja, as células mal-formadas tumorais podem ir a outros órgãos”, alerta o médico.

Todos os homens devem ficar atentos à prevenção ao câncer de próstata, mas alguns grupos precisam redobrar o cuidado. Juveniz enumerou alguns fatores predisponentes da doença. “Raça negra, idade e antecedentes familiares”, listou. A combinação desses fatores aumenta em até cinco vezes a probabilidade do homem desenvolver o câncer de próstata em comparação à população masculina em geral.

O médico também destacou a necessidade de superar os preconceitos relativos aos exames, de modo especial ao toque retal. “Trata-se de um exame feito no consultório, é rápido, simples, e possibilita ao médico avaliar a consistência da próstata, se tem algum nódulo”, disse. O exame de toque retal, conforme informou Juveniz, é muito importante, pois complementa o exame do Antígeno Prostático Específico (PSA).

A resistência e o preconceito em relação ao exame de toque retal ainda existem, mas são menores. “Isso se deve a informações sobre o assunto, ao aumento da expectativa de vida e à maior consciência quanto à importância dos exames preventivos”, analisou Juveniz.

Superar os preconceitos e a cultura do não cuidado da saúde são fundamentais para reduzir as estatísticas do câncer de próstata, doença silenciosa e fortemente letal caso não seja tratada a tempo. “O câncer de próstata não dá sintoma na sua fase inicial, porque afeta a periferia da próstata. Só vai dar sintomas quando já estiver avançado. Por isso, os exames preventivos são muito importantes”, reforça o médico.

Por dia, 43 homens morrem no Brasil em decorrência do câncer de próstata

O número de casos de câncer de próstata e a quantidade de mortes em decorrência da doença têm crescido, ininterruptamente, na última década, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA). De 2009 a 2019 (ano do último levantamento do INCA), os óbitos aumentaram 30,21%, de 12.274 para 15.983 - a média, considerando o resultado do último ano, é de 43 mortes diárias. Isso se relaciona, conforme o Instituto, “ao efeito combinado de envelhecimento da população, melhoria da sensibilidade das técnicas diagnósticas e disseminação do rastreamento com os testes do PSA e do toque retal”.


Arte: Luciana Kawassaki

O INCA estima, em todo o país, 65.840 novos casos de câncer de próstata para cada ano do triênio 2020-2022. São 180 diagnósticos da doença por dia. Em Mato Grosso do Sul, a estimativa é de 1.240 casos novos anuais, o que equivale a uma taxa bruta de 88,37 casos para cada 100 mil homens. Essa taxa supera a nacional (62,95) e é a quarta maior do país, abaixo apenas às de Tocantins (94,71), Sergipe (92,36) e Rio Grande do Norte (88,46).

Outro dado do Instituto mostra que 10% dos homens entre 55 e 69 anos que realizam os exames de rotina poderão confirmar câncer de próstata. Em metade desses pacientes, o câncer terá crescimento lento, não ameaçando a vida, e 0,5% poderá morrer. No entanto, sem a realização de exames regulares e com o diagnóstico tardio, a possibilidade de morte é muito maior, fazendo com que a média seja de 25% de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) – ou seja, de cada quatro pacientes com câncer de próstata, um morre devido à doença.

As estatísticas podem, sim, ser menos aterradoras. A saída para isso está no recado persistente de todos os anos da campanha Novembro Azul: o diagnóstico precoce salva vidas. Para que esse recado não fuja dos radares masculinos durante este mês, basta o homem olhar para cima em dia de céu aberto. No entanto, o cuidado com a saúde não precisa – e não deve – ser restrito a novembro. Afinal, céu azul tem o ano todo.

Permitida a reprodução do texto, desde que contenha a assinatura Agência ALEMS.
Crédito obrigatório para as fotografias, no formato Nome do fotógrafo/ALEMS.