Brasão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul Brasão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul

Orionópolis propõe ampliação de trabalhos.

07/03/2003 - 14:57 Por: Assessoria de Imprensa/ALMS   

<P>Nessa quinta-feira, dia 6 de março de 2003, o deputado Paulo Corrêa junto com o Secretário de Saúde do Estado, João Paulo Barcelos Esteves, visitou a Instituição Orionópolis, localizada no bairro Mata do Jacinto, em Campo Grande. Eles receberam um projeto de ampliação do local. A intenção é conseguir aumentar em 50% a capacidade de atendimento. A estimativa de investimento é de 236 mil reais. </P><P>O projeto de ampliação aponta programas de parcerias, nelas estão incluídas a CEASA (Centrais de Abastecimento do Estado de Mato Grosso do Sul), a Prefeitura Municipal de Campo Grande e empresas da iniciativa privada. A Orionópolis já conseguiu doações que vieram através de gincanas, realizadas no Tribunal de Justiça, na 24ª Região do Tribunal Regional do Trabalho, na Universidade Católica Dom Bosco e na Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal. </P><P>O deputado se comprometeu a levar a questão ao partido, o custo mensal da Instituição varia entre 10 e 12 mil reais, há a possibilidade de se firmar convênios e uma reunião com os deputados na instituição foi proposta. “ Nossas emendas são voltadas para a área social. Junto com o secretário de saúde vamos levar a questão aos demais deputados” - disse Paulo Corrêa, PL. </P><P>Saiba mais sobre a Orionópolis: </P><P>A Instituição Orionópolis está em Campo Grande desde 20 de julho de 1996, veio com a chegada da “Congregação Pequena Obra Divina Providência Dom Orione”. Atualmente a instituição presta atendimento a 45 famílias carentes que tenham a incidência de encefalopatia (paralisia cerebral) em um de seus membros. </P><P>A Instituição tem parcerias com a Universidade Católica Dom Bosco nos setores de fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia. Fazem também atendimento médico e apoio familiar realizado em domicílio por setores clínicos, além de entregas de cestas básicas mensais, complementadas por cestas de verduras semanais. </P><P>Atualmente a instituição presta atendimento a 45 famílias carentes que tenham a incidência de encefalopatia (paralisia cerebral) em um de seus membros. Tem parcerias com a Universidade Católica Dom Bosco nos setores de fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia. Fazem também atendimento médico e apoio familiar realizado em domicílio por setores clínicos, além de entregas de cestas básicas mensais, complementadas por cestas de verduras semanais. </P><P>O critério de atendimento para as crianças são: terem lesão cerebral grave, diagnosticada por médicos, serem dependentes nas atividades de vida diária, não estarem sendo atendidos por outra instituição congênere, e terem renda máxima de dois salários mínimos, incluindo o benefício da “Lei Orgânica de Saúde” (saiba mais sobre a lei no texto abaixo). </P><P>A instituição se mantém através de doações da comunidade e de pessoas físicas e jurídicas que são movidas por campanhas como a “ Amigos da Orionópolis”, que se realiza através da adesão do meio empresarial com contribuições mensais conquistando, em contrapartida, o Selo-Ouro, Prata, Bronze – para a divulgação junto a sua marca, tornando público a sua responsabilidade social. A Coordenadora Geral Gizela Gomes dos Santos apresentou as crianças atendidas, muitas chegam ao local desnutridas, mal-assistidas, algumas até com casos de abuso sexual e outras com casos de drogas no ambiente familiar. As mães recebem instruções e acompanhamento, muitas são adolescentes, ficam conhecendo as regras da instituição e suas responsabilidades para não acabar por perder a vaga de seus filhos, essas regras são principalmente quanto a manter a higiene de seus filhos. </P><P>Durante a visita a coordenadora resumiu o trabalho da Instituição: “..estamos resgatando a cidadania das famílias, é um processo lento mas estamos no caminho certo. As crianças não chegam em estado lastimável por maldade das famílias mas sim por fazerem parte de uma crise social muito grande.” </P><P>Foram apresentadas as etapas de alimentação (café, almoço, sucos durante os intervalos entre as refeições para hidratação), banho, massagem, hidratação de pele (com álcool iodado, óleo de amêndoas e de girassol), fisioterapia, repouso, fonoaudiologia, atividades pedagógicas, psicológicas e de terapia ocupacional. </P><P>Toda a atual estrutura representa 30.000m&#61490;, a maior parte foi apresentada, as salas de educação, repouso, emergências médicas, atendimento odontológico e trabalhos.</P><P> Para ajudar a Instituição Orionópolis as pessoas físicas e jurídicas podem entrar em contato através dos telefones (67) 354-5238 e 354-5395 ou fazer suas doações em conta corrente (HSBC – ag. 1178, conta corrente 00793-08 ou Banco do Brasil – ag. 3496-7, conta corrente 83584-6), pelo e-mail orionems@terra.com.br ou indo pessoalmente conhecer o trabalho localizado na Rua Jamil Basmage, 996 – Mata do Jacinto, em Campo Grande. </P><P>Sobre a Lei Orgânica de Saúde: </P><P>A Lei Orgânica de Saúde - LOS - é o conjunto de duas leis editadas (Lei n.º 8080/90 e Lei n.º 8.142/90) para dar cumprimento ao mandamento constitucional de disciplinar legalmente a proteção e a defesa da saúde. São leis nacionais que têm o caráter de norma geral, contém diretrizes e os limites que devem ser respeitados pela União, pelos Estados e pelos Municípios ao elaborarem suas próprias normas para garantirem - em seus respectivos territórios - o direito à saúde para seus povos. </P><P>A LOS é, portanto, destinada a esclarecer o papel das esferas do governo na proteção e defesa da saúde, orientando suas respectivas atuações para garantir o cuidado da saúde. Na Lei Orgânica da Saúde (Lei n.º 8080/90) observamos que a descentralização político-administrativa é enfatizada na forma da municipalização dos serviços e ações de saúde, que significa redistribuição de poder, competências e recursos em direção aos municípios. A organização dos Distritos Sanitários é uma das estratégias proposta para mudar o modelo assistencial e as práticas de saúde, com efetiva participação social. </P><P>A Lei n.º 8.142/90 dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do SUS e condicionou o recebimento de recursos financeiros à existência de Conselho Municipal de Saúde funcionando de acordo com a legislação. </P><P>Para maiores informações mande um email clicando <A href="mailto:deppaulo@terra.com.br">aqui</A> </P>
As matérias no espaço destinado à Assessoria dos Parlamentares são de inteira responsabilidade dos gabinetes dos deputados.